Maezices...

Ontem, apanhei-me sozinha, por 30 minutos!

Decidi desencaminhar o meu Simão Cão, para irmos dar um passeio. Passados 5 minutos, já estava muito cansada, por isso, fui estacionar a minha traineira (já não é um rabo) num parque, aqui pertinho de casa.

À minha frente estavam 3 senhoras à conversa, enquanto os filhos brincavam por ali. A certa altura, uma delas, chama o seu petiz:
Mãe: Diniiiiiis, venha cá!
Filho: O que é que queres, mãe?
Mãe: Não é, "o que é que queres, mãe", ouviu?
Filho: Hã?! O que é que tens? Estás a tratar-me assim para quê?!
Mãe: Dinis, esteja calado! Quer água?
Filho: Esteja calado?! Ó mãe tu passaste-te! HAHAHAHAHHA Não quero água, vou jogar à bola.

Levantei a traineira, peguei no Simão Cão, na minha vergonha alheia e, fugi dali!

Enquanto este episódio ocorria, dei por mim cheia de vontade de:
1 - Dirigir-me à senhora-mãe e dizer-lhe: - Olhe, não ceda à pressão de fingir ser uma mãe que não é. Quer trate o seu filho por tu ou por você, não é isso que a define como boa ou má mãe! E, já devia saber, que as crias, sempre que queremos fazer uma figura composta, desmascaram-nos na hora... É tão certinho quanto o facto de quererem fazer xixi, sempre que estamos a limpar o wc, percebe? Pronto, e agora dê cá um abraço, tamojuntas!

2- Ir ter com o catraio e trocar umas ideias: - Ó Dinis, eu sei que é confuso quando a mãe te trata de forma diferente só porque está alguém presente. Mas, sabes, é como tu, quando estás sozinho com os teus amigo, não te portas da mesma maneira, certo? Por isso, quando notares que a mãe está diferente, não ligues, rapaz! Depois, logo lhe perguntas o que lhe passou pela cabeça, QUANDO ESTIVEREM A SÓS, pleeeeease!

Mas, não fiz nada disto - ninguém me pediu uma intervenção! Além do mais, após profundíssima reflexão, concluí que sou exactamente igual à mãe do Dinis... Se não, repare-se:

1 - Levo os putos, a encontros com amigos nossos, com roupas que odeiam! Para tal, suo as estopinhas para que saíam de casa assim, tal qual como se fossem a um baptizado. Suborno-os com promessas de tudo um pouco, desde um rebuçado a uma suite vitalícia, com piscina de chocolate, num hotel do Dubai...
Para quê?!

2 - Vou a sair de casa, reparo numa nódoa do caraças, bem no sítio do mamilo esquerdo - ou seja, junto ao joelho. Em vez de voltar para trás e colocar uma camisa lavada, não... vou mesmo assim e, depois, ridiculamente, de cada vez que alguém olha para a nódoa #quesou, mostro-me surpreendida, estupefacta, revoltada, magoada com as vicissitudes da vida, da maternidade e vou despejando desculpas que, obviamente, ninguém está interessado em ouvir...
Para quê?!

3 - Vou ao médico com os meus mais que tudo e, sempre que o Sr. Dr. pergunta: - Tem colocado o creme, de 57 € a grama, no músculo da barriga da perna esquerda do seu menino? Ao acordar, ao pequeno-almoço, a meio da manhã, ao almoço, ao lanche, ao jantar e à ceia?
O que é que eu respondo?!
- Claro, Sr. Dr.!!! Até houve ali, um dia ou outro, que achei por bem acordar às 5h da manhã e besuntar, uma dose extra, na tromba do riquinho! Já vou na terceira bisnaguinha, em 15 dias, Sr.Dr!
Para quê?!

E podia continuar aqui, a dar exemplos e mais exemplos, da presença da desgraçada da mãe do Dinis, na minha pessoínha...

Se aquilo me fez um clique? Fez!

Vai andar a clicar-me durante uns 3, 4 dias, depois volto ao mesmo... ou seja, a tentar ser uma mãe perfeita desde 28 de Novembro de 2005, dia em que me nasceu o primeiro filho!

Mas há alguém que tenha pachorra para filhos e mães perfeitas? Então...

PARA QUÊ?!

E eu que só queria um casalinho...
A Mãe dos Quatro!